A Big Tech deve ser desmantelada? Eu penso que não.

Façamos a nós próprios uma simples pergunta. Porque é que há alguma ideia de que devemos acabar com a Big Tech? Alguns analistas, peritos, by-passers da indústria e até mesmo pessoas comuns dizem que a Big Tech deve ser rompida porque eles recolhem os nossos dados. Há demasiados dados que eles utilizam em seu proveito.

Mas se pensarmos nisso, não é um problema. Sim, pode ser desagradável para algumas pessoas, mas faz parte do mundo em que vivemos. Empresas como Google, Facebook, Twitter, e muitas outras utilizam os nossos dados para obter lucros, mas é uma característica do nosso tempo. Tal como na Idade Média, os senhores feudais usavam camponeses, e na era industrial, os capitalistas usavam trabalhadores nas suas fábricas de produção. A Big Tech é apenas um resultado natural da evolução da economia, da sociedade, e da tecnologia.

Na sua essência, aqueles que propõem a ruptura da Big Tech propõem a paragem da história. Literalmente. Voltar atrás no tempo e começar com uma tábua limpa. Mas não funciona, porque a Big Tech não surgiu devido aos esforços maléficos de ninguém, estas empresas foram capazes de acumular recursos e influência num mercado extremamente competitivo onde quase todos podiam ganhar e tornar-se um líder.

Tomemos o Facebook como um exemplo. Não gosto muito desta empresa, não gosto dos seus serviços e não gosto de nenhum dos seus produtos (talvez apenas Instagram, heh). Mas porque é que o Facebook ganhou a competição, porque havia outros concorrentes no terreno. Pode falar o quanto quiser sobre a concorrência limitadora da Big Tech, mas o exemplo do Telegram demonstra que mesmo a WhatsApp do Facebook não pode competir directamente com as promissoras start-ups.

Ou podemos levar o Google. A empresa tem uma carga de carros e uma carroça de projectos mal sucedidos, quando a empresa perdeu a concorrência para concorrentes muito mais pequenos.

Aqueles que se propõem romper com a Big Tech apontam geralmente para leis antitrust a serem aplicadas às empresas do Vale do Silício. Na realidade, de um ponto de vista económico, isto é absurdo. As leis anti-monopólio foram desenvolvidas na era da economia industrial. O melhor exemplo é, evidentemente, o Standard Oil. A empresa simplesmente despejava os preços e não havia nada que a impedisse. Quer se seja 10 vezes empresário genial, gestor, ou visionário, mas na era industrial, é preciso muito capital para entrar na concorrência. E ainda mais para não perder.

De facto, a confiança na era industrial pode crescer tanto quanto eles quiserem e não haverá nada que os impeça, porque podem apenas comprar concorrentes e preços de dumping.

Este foi um período de alto retorno do investimento quando os capitalistas investiram no crescimento das indústrias clássicas.

E nessa altura a Lei Sherman e tudo o que se lhe seguiu foi muito apropriado, podemos mesmo dizer com confiança que foi o ponto de viragem quando o mundo e a economia tal como a conhecemos hoje em dia emergiu.

A era pós-industrial é uma conversa completamente diferente. Actualmente, o retorno do investimento está a diminuir em todo o mundo e vemo-lo na “financeirização da economia”, com cada vez mais dinheiro a ser investido nos mercados bolsistas. Nesta situação, o negócio do capital de risco também está a crescer. Hoje em dia, quase todos os que têm uma ideia podem ter uma oportunidade de a pôr em prática. Sim, talvez então receba uma oferta da Big Tech e venda o seu negócio. Mas não há maneira de a Big Tech poder baixar os preços apenas para comprar um concorrente pelo seu dinheiro.

E isso é uma diferença tangível.

Talvez um imposto que possa corrigir a Big Tech?

Mais uma vez, não. Os impostos devem ser justos e não devem ser utilizados como uma das medidas para limitar o desenvolvimento de certas empresas. Ou seja, os gigantes da Big Tech, como o Facebook, devem pagar impostos justos. Mas não devem ser impostos discriminatórios, o que seria a Big Tech apenas para ser Grande. Temos de encarar a questão de uma forma um pouco diferente, penso eu.

Big Tech do ponto de vista do bem público

A primeira coisa que devemos fazer é olhar para o problema da perspectiva do bem-estar público. Voltemos aos dias em que as primeiras leis antitrust foram aprovadas, a primeira das quais foi a Lei Sherman.

Depois, pudemos ver danos tangíveis no bem-estar público: dumping de preços, monopolização da economia, depois uma mudança para os lucros monopolistas (marcações monopolistas), e cortes salariais.

Será que vemos isto agora? Penso que não. Mas que problemas é que podemos ver agora?

Talvez a Big Tech a guardar os nossos dados? Talvez, mas tem de ir viver para a floresta para não ter de a enfrentar. Infelizmente ou felizmente (dependendo da forma como o faz) faz apenas parte da vida moderna. Tal como há 100 anos atrás as pessoas não podiam imaginar que a maioria das pessoas viveria nas cidades, as gerações seguintes tomá-lo-ão como um dado adquirido. Só não vejo o dano social ou o dano ao indivíduo.

A única ameaça à Big Tech é o controlo da informação. O Google pode decidir o que se vê numa pesquisa, as redes sociais podem controlar a sua alimentação.

No entanto, penso que este problema pode ser resolvido com um simples esforço, sem acção drástica. Para o fazer, tudo o que precisamos de fazer é tornar clara a autoridade da Big Tech para regular e filtrar o conteúdo e torná-lo transparente para todas as pessoas.

Discuss

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Read more